Carta à greve #3: Uma análise das disputas internas à greve e dos desafios para a radicalização de base

Nossa terceira carta à greve chegou com os ventos de rebeldia e resistência das oprimidas do mundo! Chega em meio a revoltas contra o projeto neoliberal na América Latina do povo no Haiti, Argentina, Equador e Colômbia, também em pleno ataque genocida do Estado turco à revolução social no Curdistão. Nessa carta, queremos sugerir que nossa greve aqui na UFSC ainda não chegou ao fim.

¿Cómo luchan los pueblos del Ecuador? Diciendo-haciendo, diciendo-haciendo, diciendo-haciendo, ¡carajo!

1. Temos entidades nacionais, mas não vemos nacionalização das lutas

Os dias 02 e 03/10, chamados nacionalmente por UNE, ANPG, FASUBRA, SINASEFE e ANDES como paralisação de dois dias de luta da educação, não se concretizaram como acúmulo de forças na maioria das cidades brasileiras. Apesar da urgência dos ataques que sofremos nacionalmente e dos exemplos de luta na UFFS, UFSC, Unipampa e UFSM, essas datas não apontaram para a radicalização das lutas. Em partes por intenção explícita das principais forças políticas à frente dessas entidades nacionais, que não mobilizaram para as atividades e que buscam isolar a proposta de greve geral por tempo indeterminado. O ato realizado em Florianópolis, apesar de levar cerca de cinco mil pessoas às ruas, foi marcado por dois fatores que desanimaram a mobilização.

O primeiro deles foi a UNE. De cima do carro de som, a manifestação foi coordenada por estudantes da UNE vindos de outras cidades para nos enquadrar. A posição de quem vê uma manifestação de cima, típica do carro de som, já é geralmente antipática e autoritária, mas foi levada ao seu extremo no último ato: além de usarem o carro de som para propagar uma linha política rebaixada e desanimadora, sufocando o chamado pela greve geral, demonstraram sua total desvinculação com a militância nas ruas ao desconhecer as palavras de ordem escolhidas popularmente nos atos de Floripa, que foram cantadas sistematicamente fora dos seus ritmos usuais. É uma vergonha que a UNE, com o aval do DCE UFSC, que a constroi e dá legitimidade, concentre suas forças em mandar militantes para disputar nosso ato, em uma cidade em que a luta já tem seus contornos mais fortes e combativos, ao invés de buscar atuar em suas outras bases locais, impulsionando a mobilização. Isso demonstra, enfim, o verdadeiro objetivo a que a entidade se propôs com sua visita, que é frear nossa luta.

O segundo fator foram as práticas espontaneístas e oportunistas que, dentro do Movimento UFSC contra o Future-se, fizeram do ato um espaço de disputa por protagonismo, deixando nossa pauta em segundo plano. Por que isso ocorreu?

2. Contra o dirigismo explícito, um dirigismo informal ainda mais ilegítimo

O que estamos chamando aqui de dirigismo não é a tentativa de disputar uma orientação tático-estratégica para o movimento, tarefa política legítima para as organizações políticas e mesmo para sujeitos independentes. O dirigismo se expressa quando a busca por se legitimar e apresentar como liderança é visto como tarefa primordial, colocada acima da busca por fazer avançar a força e as conquistas da luta. É essa intenção de formar referência e ser visto como vanguarda que leva diferentes grupos a disputar quem faz mais falas, quem reivindica a glória de ter proposto determinado encaminhamento, puxado determinada ação – e, pior, quem é mais radical ou quem faz a crítica mais devastadora ou difamadora do grupo adversário. Tais disputas tiram do centro do debate a discussão honesta sobre nossas estratégias e nossos objetivos, impedindo a crítica e autocrítica feita com disposição, não só de assumir os próprios erros, mas de reconhecer os acertos das organizações e movimentos não alinhados. Visto dessa forma, identificamos dirigismo tanto na diretoria do DCE quando na atuação do Movimento UFSC contra o Future-se.

O início do Movimento UFSC contra o Future-se está marcado por uma vontade legítima de fazer a luta acontecer, impulsionada por uma incapacidade do DCE em acessar as bases dos cursos e transformar a luta em algo menos centralizado do que a representação burocrática da entidade, inclusive ao não incorporar táticas de luta surgidas fora das organizações que compõem a gestão. No entanto – mesmo com algumas organizações e entidades participando das reuniões iniciais que levaram a formação do Movimento – ele surgiu sob o discurso de rejeição ao movimento estudantil e suas entidades. É a partir dessa narrativa que ele se desenvolveu cada vez mais como uma minoria radicalizada, sem disposição para construir as entidades de base, cujas ações se voltam à disputa e ao ataque contra o DCE.

É necessário apontarmos uma derrota ideológica ao individualismo nesse processo. Enquanto nossas principais lutas nos últimos anos foram organizadas por articulações de entidades – seja por uma rede de CAs à esquerda do DCE, pela Comissão Unificada, pela Coordenação Estadual de Entidades em Defesa da Educação Pública (COEEDEP) ou pelo Fórum de Lutas – agora estamos dependendo de uma articulação de indivíduos, onde a participação coletiva de estruturas de base é mal vista, chegando ao limite de considerar acordos coletivos e a participação da base como formas de burocratizar ou frear a radicalização. A luta, com pretensão de radicalidade, se torna uma tarefa relegada a poucas pessoas, aquelas “capazes” ou “iluminadas” para fazer tal ou qual ação. E, pior, justo na principal mobilização estudantil dos últimos três anos, quando estamos formando uma nova geração de militantes.

Um comentário à parte deve ser feito sobre a Juventude pela Revolução Brasileira (JRB) e o fetiche dirigista. A organização lançou o primeiro posicionamento público pelo fim da greve na UFSC e, hoje, junto com as organizações que compõe o DCE, fazem a frente de defesa do final da greve. O grupo construiu e insuflou a proposta de greve enquanto foi conveniente, a fim de se apresentar como alternativa mais radical ao DCE UFSC, com o qual essa organização rompeu. No entanto, pouco tempo após o início da greve, quando a JRB se vê incapaz de dar a linha política do Comitê de Greve ou hegemonizar o UFSC contra o Future-se, se volta rapidamente contra a greve, atuando para desmobilizá-la nos cursos.

3. A tirania das organizações sem estrutura

Um coletivo não é mais ou menos vanguardista e autoritário pela ideologia que diz possuir, mas sim por sua forma prática de organização e postura nos espaços de construção política. Ainda que não existam chefes ou lideranças eleitas, coletivos que não possuem uma estrutura interna com distribuição de tarefas e acordos coletivos de organização abrem espaço para lideranças autoritárias informais. É o que acontece em um bloco de rua que tenta arrastar pessoas para tomar a frente de um ato sem nem mesmo apresentar às pessoas a proposta do que será feito, ou o que acontece em uma reunião aberta do movimento em que as principais linhas a serem tomadas já foram discutidas antes entre um núcleo duro – mesmo que se apresente como independente ou autônomo.

Em nossa greve, essa criação de autoridades informais se aliou a uma forte meritocracia tarefista – quem participou de mais reuniões ou organizou mais ações de greve se vê na posição de quem pode decidir mais coisas e se torna imune a críticas. Não causa surpresa que essa postura afasta muitas pessoas da construção coletiva, especialmente estudantes mais novas, com menor histórico de ações ou conhecimentos práticos da luta, como coordenar reuniões, diagramar panfletos, fazer cola de lambe, montar um piquete, etc. A militância se torna tarefa de especialistas, aos quais as novatas devem obedecer ou sair de perto para não atrapalhar.

Valorizamos a importância do UFSC contra o Future-se para a greve que temos hoje. O Movimento fez a greve se tornar possível, possibilitou assembleias massivas e uma grande publicização das ações com produção de material, assim como tem pautado a fundamental ida de estudantes a outras cidades. Frente às dificuldades organizativas e o freio de mão puxado por alguns setores, conseguiu rapidamente puxar ações e iniciativas de luta que saíam do papel e, assim, deram vazão à vontade de atuação de muitas e muitos estudantes, inclusive nós. No entanto, esse polo aglutinador também levou ao esvaziamento de centros acadêmicos e espaços de base; e, neste momento, só a capacidade de construir a radicalidade dentro de cada curso e programa, com amplos setores, pode manter viva nossa greve. Forma de atuação esta que é oposta a se isolar em ações não discutidas nos espaços de representação de base, como os Comitês de Greve.

Consideramos que a situação de desarticulação nas bases de vários cursos é fruto desse processo espontaneísta e sectário de construção da greve. A primeira tarefa de cada estudante que acredita nessa luta é conversar e construir com as pessoas que estão na mesma situação que a sua, ao invés de conversar apenas com seu grupo de afinidade política. A melhor ação a se tomar não é aquela que gera mais adrenalina, mas aquela que produz mais força coletiva.

4. Nossa greve é muito maior do que essa disputa por protagonismo

Estamos entrando agora na sexta semana de nossa greve. Apesar de muitos cursos não terem efetivado a greve e outros já terem saído dela, o fato é que, neste momento, ainda temos greve na maioria dos cursos do CFH, CED, CCB, CCE e CCA, além de alguns cursos e programas em outros centros. Não por acaso, muitos desses espaços são aqueles que tiveram atuação cotidiana de seus centros acadêmicos nos últimos anos, em especial com forças políticas à esquerda do DCE UFSC.

Ao invés de interpretar a greve a partir das posições tiradas por cada organização política, é necessário olhar para essa base, constituída por milhares de estudantes que ousaram lutar, enfrentar professores, a mídia e o governo para afirmar interesses coletivos: garantia de suas bolsas, sua alimentação, educação pública e o emprego de tantas trabalhadoras terceirizadas. Se outras forças políticas olham para essas maiorias com desinteresse, ou como uma massa amorfa para ser conduzida, é papel de quem acredita na ação coletiva e de base priorizar a participação nesses espaços e analisar a greve partindo desse ponto de vista, de sua estratégia e vontade de lutar. São esses os sujeitos que decidem se a greve continua ou não, pois são eles que a fizeram acontecer desde o início.

Abaixo do radar da maioria das análises, a mobilização nas bases dos cursos nos mostra um processo de formação política; ida para as praças e escolas; articulação nacional; vínculo com trabalhadoras de todas as categorias da UFSC, incluindo terceirizadas; e participação em outras lutas que já acontecem fora da universidade. Um caldo de construção e vínculos que pode dar reflexos importantes para os próximos anos, dependendo da capacidade de nossas entidades, movimentos e coletivos de acolher a militância que se forma no processo.

5. Nossa tarefa, seja na greve ou após dela, é construir a radicalização de base

A greve estudantil na UFSC vem revelando a necessidade e o potencial da articulação das milhares de estudantes na luta em defesa de uma educação a serviço do povo e de uma formação que possibilite que decidamos o futuro que queremos construir. Enquanto o Programa Future-se segue avançando nas instâncias de poder do governo, trabalhadoras terceirizadas da UFSC seguem demitidas e o orçamento para as universidades públicas segue reduzido para o ano que vem. Caminhamos para o retorno à universidade restrita à elite branca do país, enquanto a população caminha para a fila do desemprego. Isso só mostra que nossa luta deve seguir e que devemos seguir fortalecendo as bases, nos formando e construindo horizontes coletivos que nos permitam agir também coletivamente.

Essa construção deve ser permanente e se dar de forma organizada, na criação de relações de confiança e aquisição de sentido às ações realizadas. É necessária a articulação com estudantes independentes, evitando uma atuação difusa, desgastante e individualizada, capaz de crítica e autocrítica; é necessário reconhecer que as vitórias são possíveis quando vemos no fortalecimento das bases a razão de engajamento na luta e a garantia de um horizonte comum e significativo; é necessário admitir que ser radical somente é revolucionário e muda a vida quando essa radicalização é desde a base, de forma massiva. É o exemplo que a luta popular no Equador tem nos dado; milhares de indígenas ocupam Quito organizadas em sua entidade, a Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (CONAIE), que desde 1986 faz trabalho de base e agrega força social para que neste momento possa tomar as ruas, avançando com o povo oprimido contra o projeto neoliberal que toma toda a América Latina. Protagonizada por um povo organizado, vemos na radicalidade equatoriana a ação coletiva como seu motor de luta e no dizer-fazer sua estratégia.

CONSTRUIR DESDE A BASE UMA GREVE FORTE!
EM TODA A AMÉRICA LATINA, LUTAR DIZENDO-FAZENDO, DESDE ABAIXO E A ESQUERDA, CARAJO!

Resistência Popular Estudantil – Floripa
14 de outubro de 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *